Archive | maio 2013

15 de maio grande marcha em Brasília contra a homofobia. Juventude do PT faz parte dessa campanha #Participe

 

Anúncios

Rui Falcão: Presidente participa de reunião na Fundação Perseu Abramo

Nesta segunda-feira (6), o presidente Nacional do PT, Rui Falcão, visitou a sede da Fundação Perseu Abramo, em São Paulo, onde foi recebido pela direção da fundação. Logo após, o presidente do Partido dos Trabalhadores participou de almoço com membros da direção. Às 14h, Falcão vai se juntar à reunião do Grupo de Conjuntura, quando realizará a fala principal do encontro.

O Grupo de Conjuntura da Fundação Perseu Abramo é composto por economistas, cientistas políticos e dirigentes partidários e lideranças dos movimentos sociais, convidados pela diretoria da FPA periodicamente para discutir acontecimentos nacionais e internacionais e suas consequências na situação política, econômica e social do país.

(Janary Damacena – Portal do PT, com informações da Perseu Abramo)

Secretário Nacional de Juventude marca presença no Seminário Nacional da Pastoral da Juventude.

O evento foi aberto com destaque para os desafios diante das realidades de morte e violência entre as juventudes. Mais de 150 delegados participaram da atividade no Colégio Marista Champagnat de sexta-feira, 03 de maio, até o domingo, 05 de maio.

O secretário nacional da PJ, Thiesco Crisóstomo, introduziu a mesa de abertura destacando os dados alarmantes da violência contra jovens no Brasil, que motivam os atos da Campanha. Os jovens presentes deram início ao debate expondo situações Brasil afora e destacando a necessidade de ampliar políticas públicas que garantam direitos e reduzam o extermínio das juventudes.

Dentre os principais assuntos debatidos na mesa de abertura, estava a luta assumida pelas Pastorais da Juventude e pela Igreja contra a redução da maioridade penal. O tema foi apontado como um dos principais fatores na campanha contra a violência. “Propor a redução da maioridade penal é tapar o sol com a peneira. É tentar colocar atrás das grades principalmente a população negra, marginalizada e que geralmente não possui perspectivas nem projeto de vida. As penitenciárias acabam agravando a situação de marginalidade, que poderia ser combatida com a garantia dos direitos básicos”, como explica o jovem Edilson Gondim do estado do Pará.

Os principais temas que nortearam os debates e trabalhos até o domingo foram, além da redução da maioridade penal, a segurança pública, educação, trabalho, violência e uso de drogas, aprisionamento e cárcere, tráfico humano e trabalho escravo. O secretário nacional da Juventude do PT, Jefferson Lima, compareceu ao evento no domingo(05 de maio) e enfatizou a relação com a Pastoral da Juventude e o papel que os militantes da PJ tem na construção das politicas para juventude.

” Esse seminário é fundamental para reforçar a luta contra o extermínio da juventude e contra a redução da maioridade penal. Importante que esses temas sendo debatidos também durante a Jornada Mundial da Juventude que acontecerá em julho na cidade do Rio de Janeiro”

MESA DE ABERTURA

A mesa de abertura contou com convidados de congregações religiosas, assessores da PJ e representantes do Poder Público.  Felipe Freitas, articulador do projeto “Juventude Viva” do Governo Federal, enalteceu a importância da PJ na construção de debates sociais a respeito dos jovens.  “A Pastoral da Juventude é a maior escola de formação de quadros para a participação social do Brasil”, afirmou Felipe, que começou sua participação social a partir dos grupos de base da PJ. Os convidados destacaram a importância da participação da Pastoral da Juventude no âmbito religioso e político em todo o Brasil. Em 2014, a PJ completa 40 anos de história

A CAMPANHA

A Campanha Nacional contra a violência e o extermínio de Jovens é uma ação articulada do Projeto “A Juventude Quer Viver” da Pastoral da Juventude e de diversas organizações. Busca fomentar e provocar toda sociedade para o debate sobre as diversas formas de violência contra a juventude.

A Campanha nasceu da reflexão da 15ª Assembleia Nacional das Pastorais da Juventude do Brasil, ocorrida em maio de 2008. O Seminário foi proposto pela Coordenação Nacional da Pastoral da Juventude “para construir ideias e discutir ainda mais os eixos propostos pela Campanha”, como explica o secretário nacional da Pastoral da Juventude, Thiesco Crisóstomo.

(Teias Nacional / Equipe de Comunicação do Seminário Nacional /Assessoria JPT)

Artigo: As empregadas domésticas como pauta da valorização do mercado de trabalho

Hoje, podemos dizer que não há mais trabalhadores de primeira e segunda categoria em nosso país.

Ao contrário dos demais trabalhadores, que tiveram aprovado seu código de trabalho em 1943, foi somente com a edição da Lei nº 5.859, de 11 de dezembro de 1972, que as domésticas tiveram implementados alguns poucos direitos, como o da Carteira de Trabalho e Previdência Social; benefícios previdenciários, na categoria de segurados obrigatórios do regime geral de previdência social e férias de vinte dias úteis ao ano.

De acordo com a presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores Domésticos (Fenatrad), Creuza Oliveira, já são mais de 80 anos de organização sindical da categoria, pois a primeira organização aconteceu em 1930. Mas foi com a Constituição de 1988 que a essa categoria foram estendidos outros direitos como o salário mínimo; irredutibilidade do salário; décimo terceiro salário; repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos; férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal, licença maternidade e aposentadoria.

Contudo, a Constituição cidadã ao dispor sobre os direitos dos trabalhadores domésticos, não atribuiu a eles todos os direitos assegurados aos trabalhadores urbanos e rurais. O Brasil estava devendo um tratamento isonômico na sua legislação a essa categoria que, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego, são 7 milhões de trabalhadores e trabalhadoras. E desses, apenas pouco mais de um milhão têm carteira assinada. Dados da Fenatrad revelam que hoje esse número pode chegar a 9,1 milhões e que 410 mil crianças estão no trabalho doméstico e 1,8 milhão desses trabalhadores ganham de zero a meio salário mínimo por mês.

Essas informações nos levam a ter consciência de que a luta dessas pessoas não acabou com a aprovação da PEC – 62, agora Emenda Constitucional n° 72 de 2 de abril de 2013, que será conhecida como a Lei das Domésticas, pois 97% são mulheres. Mas é uma conquista que deve ser comemorada, pois o Brasil não podia mais conviver com tal realidade.

É fato a situação de discriminação em que vivem submetidas. São mulheres na sua maioria negras, que lutam todos os dias contra diferentes formas de exploração, exclusão e violência, principalmente a que se dá com a discriminação de remuneração e direitos.

Nesse processo histórico, de mais de oito décadas, quero destacar e parabenizar a persistência e a organização dessas trabalhadoras, que são exemplos de determinação das mulheres brasileiras de Norte a Sul do país. Os dados da OIT confirmam que o Brasil se destaca como o país que tem mais organização sindical de trabalhadoras domésticas. Existem de 35 a 40 sindicatos ligados ou não à Fenatrad.

Historicamente as ações governamentais voltadas para esse segmento têm sido muito tímidas, apesar da trajetória de luta e organização dessas trabalhadoras. Contudo, não poderíamos deixar de registrar o grande avanço que tiveram com a Lei n° 11.324 de 19 de julho de 2006, sancionada pelo presidente Lula, que possibilitou usufruir dos direitos trabalhistas: estabilidade a gestantes, folga nos feriados, férias de 30 dias, férias proporcionais, proibição de descontos de salário utilidade (moradia, alimentação, vestuário e higiene). É importante ressaltar que esta Lei possibilitou a todos os patrões e patroas, que assinarem a Carteira de Trabalho de seu empregado ou empregada domésticos deduzirem de seu Imposto de Renda a contribuição ao INSS.

Nos últimos dez anos a criação da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial-SEPPIR e o fortalecimento da Secretaria de Políticas Para as Mulheres-SPM também contribuíram para dar visibilidade à luta dessas importantes trabalhadoras. A fala da presidente da federação no dia da aprovação da PEC – 62 revelou isso, pois para ela a SEPPIR foi e é uma grande parceira nesses últimos anos de organização da Fenatrad.

Parceira que possibilita maior visibilidade e debate sobre a questão do trabalho doméstico porque tem a ver com a questão racial das mulheres negras. Ela falou também sobre outros parceiros no governo federal como os Ministérios da Educação, Trabalho e Emprego e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Além dos movimentos sociais e da CUT.

A lição que podemos tirar dessa história é que não podemos abrir mão de nos organizar e ter claro o que queremos. A história é construída a muitas mãos. E quando se tem organizações sociais e governos comprometidos com o bem estar das pessoas e o desenvolvimento social e econômico do país, como tem sido o caso dos governos de Lula e Dilma, a sociedade é quem ganha.
Parabéns trabalhadores e trabalhadoras por todas as lutas e conquistas empreendidas até aqui!

Autora: Silvânia Temóteo,46 anos. Secretária Adjunta da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do GDF e militante do Movimento Negro.

%d blogueiros gostam disto: